Psicoterapia e Envelhecimento

Envelhecer faz parte da vida, é um fenômeno universal, é progressivo e afeta gradativamente o organismo, dependendo do estilo de vida de cada pessoa, fatores como dieta, exercícios físicos, formação, papéis exercidos ao longo da vida e nível socioeconômico podem determinar o processo de envelhecimento, assim sendo, o envelhecimento não acontece da mesma forma para todas as pessoas. Também é comum ligarmos a doença ao envelhecimento, bem como, a debilidade física e mental, este preconceito já é bastante questionado, pois várias pessoas idosas estão aí para demonstrar que esta forma de pensar está ultrapassada, pois se mantem ativas e saudáveis, revelando as variações de modelos no envelhecer.

Segundo Ferreira e Falcão (2006) “defendem que, apesar de não ser muito divulgada, a terapia psicológica na velhice surge como uma das formas de promover a saúde e a qualidade de vida. Por meio da adoção de uma conduta terapêutica preventiva, alicerçada na interdisciplinaridade, a psicoterapia pode propiciar um presente e um futuro mais criativos, uma vida mais satisfatória ao sujeito, contribuindo para que ele elabore respostas sobre questões que permeiam o processo de envelhecimento e da velhice”.

Nesta fase da vida é importante ficar atendo aos sinais e sintomas da depressão e a ansiedade que podem ser facilmente confundidos com outros problemas de saúde, bem como os transtornos psiquiátricos podem estar presentes, mas passar despercebidos pelos familiares, tidos como fazendo parte do envelhecimento, ou o próprio idoso achar que esses sintomas vão passar e não quer preocupar ninguém com suas queixas. Outro aspecto relevante é a tendência dos idosos em expressar sintomas psiquiátricos como queixas físicas e com isto subutilizar os serviços da psicologia.

Os autores, Mucida, 2004; Gil & Tardivo, 2011, defendem que a psicologia clínica pode contribuir de modo significativo para esta etapa da vida, uma vez que busca compreender o sujeito no processo de envelhecimento em sua nova maneira de estar no mundo, bem como no modo deste sujeito investir nas relações e de habitar seu próprio corpo envelhecido na sua história. A particularidade da psicoterapia com pacientes idosos, demanda do psicólogo clínico, compreender melhor os processos psíquicos que estão presentes no envelhecimento.

Referências:
Psicologia do envelhecimento: relações sociais, bem-estar subjetivo e atuação profissional em contextos diferenciados, organizadores Deusivania Vieira da Silva Falcão, Ludgleydson Fernandes de Araújo. Campinas, SP: Editora Alinea, 2009.

Gostou? Curta e Compartilhe com seus amigos:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Madalena Borges

Madalena Borges

ESPECIALISTA EM CASAIS E FAMILIA PELA UNIFESP, ESPECIALISTA EM SEXUALIDADE HUMANA PELA USP, ANALISTA PSICODRAMÁTICA PELA EPP. madalena@socorropsiquico.com.br

Outros artigos de nosso Blog

Pandemia e a Angústia Circunstancial - Blog Socorro Psíquico

Pandemia e a Angústia Circunstancial

O momento atual coloca a todos diante de uma situação de ameaça e impotência. A ameaça vem de fora, do ambiente e do contato com outras pessoas; a ameaça é real, ela existe por si só e, independente de que alguns possam negá-la ou justificá-la com teorias de grandes conspirações, as pessoas estão de fato adoecendo e morrendo.

CRISES CONJUGAIS E DIÁLOGO - Consultório Socorro Psíquico

Crises Conjugais e Diálogo

É sabido que viver a dois exige um constante esforço de diálogo, compreensão, e disposição para debater os problemas com calma e tranquilidade, longe do calor das emoções. Discussões acaloradas em nada ajudam, muito pelo contrário, costumam colocar mais combustível nos conflitos, levando muitas vezes a brigas sérias e acusações de ambos os lados, com consequências ruins para o relacionamento.

Como está seu casamento? - Blog Socorro Psíquico

Como está o seu Relacionamento?

Sabemos que na nossa sociedade ainda existe uma preocupação com os papéis sexuais, o que compete ao homem e a mulher no casamento, ainda não foi possível privilegiar a relação, a qual acontece no único espaço em que os papéis masculino e feminino entram em confronto.