Quais os reflexos da separação nos filhos

1 - Como a separação reflete no emocional das crianças?

Do ponto de vista da Psicologia Sistêmica, toda e qualquer ruptura no núcleo familiar reflete em todos os membros da família, quando há uma separação entendemos que existe um conflito de interesses e que esse conflito aparece no sistema familiar de várias formas, cito algumas:
  • A dedicação demasiada ao trabalho; que pode ocorrer por parte de um ou dos dois parceiros, levando-os há ficar muito tempo longe de casa e em consequência a um afastamento emocional entre eles (casal) e os filhos, os filhos podem sentir-se abandonados ou atrapalhando a vida dos pais.
  • As discórdias constantes entre o casal; sejam de ordem financeira ou emocional como o aparente descontentamento entre o casal ou diferenças com a educação dos filhos, esse clima tenso é percebido pelos filhos, os quais podem sentir-se impotentes e culpados.
  • Problemas com as famílias de origem, tais como os sistemas de crenças e valores que se fazem presentes através dos membros desta nova família, tais como: prática religiosa, hábito de visitas aos pais, interferência das famílias, esta situação pode gerar conflitos nos filhos.
Os filhos são os primeiros a sentir que algo não vai bem entre os pais, e costumam revelar isso de várias formas, cito algumas; adoecem para deslocar a energia do casal, começam a ter problemas de aprendizagem, problemas de relacionamento interpessoal, apresentam comportamento de rebeldia e irritação com os pais ou adotam comportamentos de total apatia em relação à separação.

2 - A experiência da separação pode causar algum tipo de trauma na criança ou adolescente?

As famílias que se divorciam frequentemente pensam que ao se divorciarem legalmente ficarão emocionalmente divorciados, de fato um divorcio emocional completo jamais será possível quando há filhos envolvidos. As negociações de pensão e da guarda dos filhos, bem como a organização da rotina diária, demandam que os ex-cônjuges se relacionem com certa frequência, e isto muitas vezes pode eliciar antigos problemas de relacionamento, tornando essa atividade estressante para todos, principalmente para os filhos. Outro aspecto relevante é o relacionamento dos filhos com as famílias ampliadas (avós, tios, primos), é importante que os ex-cônjuges mantenham esses canais abertos, e que as famílias de origem evitem emitir opiniões sobre a separação, uma vez que as famílias de origem tendem a proteger “os seus” e culpar o outro pela separação, esta atitude pode ser prejudicial para a continuidade de relacionamento com os filhos dos ex-cônjuges. É necessária muita energia para deixar os filhos livres para verem os parentes por afinidade, se possível, para sentir-se à vontade incluindo-os em celebrações familiares. Além dos aspectos já citados, dependendo de como essa separação ocorreu, pode sim deixar marcas, não só nos filhos, como também nos pais. Nas separações amigáveis existem menos riscos de traumas, às vezes até melhora a comunicação entre pais e filhos, porque com a separação do casal não existe mais a zona de conflito, trazendo um clima de paz. Já nas separações litigiosas a possibilidade de ocorrerem traumas é alta, uma vez que os filhos ficam divididos entre duas figuras que eles amam, mas que estão lutando pela guarda e ou por bens que supostamente pertence aos filhos. Essas separações costumam desencadear sérios prejuízos no desenvolvimento dos filhos. Quando o divórcio é amargo, os filhos correm riscos, em termos psicológicos, se envolvidos em conflitos de lealdade.

3 – Como a ausência de um dos pais em casa afeta o ambiente familiar?

Toda alteração no sistema familiar desencadeia mudanças. Numa separação a família passa a ter um único progenitor e esse progenitor tem que criar novas maneiras de satisfazer as necessidades emocionais e financeiras de seus filhos. As separações podem ser sentidas pelos filhos como um alivio ou como uma perda. Se os pais viviam em constantes conflitos a separação pode ser vista como uma boa alternativa, uma vez que separados o conflito deixa de existir dentro de casa, trazendo novas possibilidades para todos. Como sabemos toda a separação é uma ruptura maior no sistema familiar a qual resulta numa serie de mudanças na estrutura familiar básica e em todos os seus relacionamentos.

Dependendo da situação financeira do casal, a separação pode trazer um empobrecimento para essas famílias, e a vida pode se tornar mais difícil para todos inclusive os filhos. Algumas famílias podem passar a ter uma nova configuração no seu sistema familiar, muitas vezes o (a) filho (a) mais velho (a) assume junto com a mãe ou o pai o comando da casa, fazendo com que esses filhos assumam responsabilidades de forma prematura, trazendo um comprometimento em seu desenvolvimento social, educacional e emocional. Algumas mães solteiras, especialmente as muito jovens, vão morar com os pais, deixando que eles suplementem o seu funcionamento. Por outro lado, muitas rompem com a família ampliada para proteger-se de críticas, estreitando as fronteiras num sistema já estressado, e aumentando a intensidade de seu isolamento e de seus filhos, o que vem a ser altamente prejudicial para o desenvolvimento dos filhos.

4 - Qual é a melhor forma de explicar a separação aos filhos?

A conversa sobre a separação dos pais vai depender basicamente da idade dos filhos e a condição emocional dos pais para essa comunicação. Os bebês parecem menos diretamente afetados pelo divórcio, experenciando principalmente a angústia dos pais – embora na medida em que formem laços emocionais, começam a perceber as mudanças, as idas e vindas de ambos os pais e outros cuidadores. Quando a criança é muito pequena não costuma ter lembranças da vida pré-separação e se ajustam melhor com o passar do tempo, do que as crianças mais velhas, que se lembram da família que existia e consideram o divórcio como o evento central de sua infância. Os pais precisam conversar com os filhos, juntos, sobre a separação eminente. Os filhos precisam conseguir expressar uma ampla variedade de emoções. Para diminuir a sua confusão, os pais devem tentar prepará-los para todas as mudanças. É extremamente importante para os filhos em idade pré-escolar um plano bem definido de visitação e contato com ambos os pais, para reassegura-los de que ainda são amados e de que continuarão a serem cuidados. O impacto do divorcio nos filhos com idade entre seis e oito anos é muito grande essas crianças parecem passar por dificuldades maiores do que qualquer outro grupo de idade, pois elas são suficientemente crescidas para perceberem o que está acontecendo, mas ainda não têm a capacidade adequada para lidar com a separação. Muitas delas experenciam um tremendo pesar, e uma grande tristeza e saudade do progenitor que partiu. Ao mesmo tempo têm fantasias recorrentes de reconciliação e frequentemente pensam que têm o poder de fazer isso acontecer. Quanto mais velhos os filhos forem no momento da separação, mais fácil será para os pais, pois os filhos já conhecem os pais como pessoas, com personalidades e interesses com os quais podem se relacionar. Mesmo assim, os pais precisam apresentar juntos aos filhos o fato de que estão se separando, dando-lhes tempo para processar a ideia. Os filhos precisam ter a chance de pensar e falar sobre suas reações e muitas vezes precisam de ajuda para compreender as consequências, em termos do impacto que isso terá em sua vida e na continuidade dos relacionamentos com os pais, parentes e amigos.

5 – A psicoterapia pode ajudar no processo de divórcio?

Vários estudos sobre o ajustamento dos filhos encontram uma forte correlação entre ajustamento insuficiente dos filhos e o conflito entre os pais, independente do status conjugal. Os resultados de muitos estudos diferentes indicam que o relacionamento pós-divórcio entre os pais é o fator crítico no funcionamento da família. Embora um fator importante no ajustamento dos filhos após a separação seja o contato continuado, qualitativo, com ambos os pais, o nível de conflito entre os pais pode ser mais central no ajustamento dos filhos do que a ausência paterna ou o próprio divórcio. Por isto, é importante que os pais estejam cientes de que, devem resolver as coisas entre eles, sempre que possível, sem envolvimento dos filhos. É recomendável um processo terapêutico para ajudar na elaboração dos sentimentos de raiva e frustração, que possam permanecer entre os ex-cônjuges.

Referência

Betty Carter, Monica McGoldrick & Colaboradores. As Mudanças no Ciclo de Vida Familiar. 2. Ed. – Porto Alegre : Artmed, 1995.

Gostou? Curta e Compartilhe com seus amigos:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Madalena Borges

Madalena Borges

ESPECIALISTA EM CASAIS E FAMILIA PELA UNIFESP, ESPECIALISTA EM SEXUALIDADE HUMANA PELA USP, ANALISTA PSICODRAMÁTICA PELA EPP. madalena@socorropsiquico.com.br

Outros artigos de nosso Blog

Pandemia e a Angústia Circunstancial - Blog Socorro Psíquico

Pandemia e a Angústia Circunstancial

O momento atual coloca a todos diante de uma situação de ameaça e impotência. A ameaça vem de fora, do ambiente e do contato com outras pessoas; a ameaça é real, ela existe por si só e, independente de que alguns possam negá-la ou justificá-la com teorias de grandes conspirações, as pessoas estão de fato adoecendo e morrendo.

CRISES CONJUGAIS E DIÁLOGO - Consultório Socorro Psíquico

Crises Conjugais e Diálogo

É sabido que viver a dois exige um constante esforço de diálogo, compreensão, e disposição para debater os problemas com calma e tranquilidade, longe do calor das emoções. Discussões acaloradas em nada ajudam, muito pelo contrário, costumam colocar mais combustível nos conflitos, levando muitas vezes a brigas sérias e acusações de ambos os lados, com consequências ruins para o relacionamento.

Como está seu casamento? - Blog Socorro Psíquico

Como está o seu Relacionamento?

Sabemos que na nossa sociedade ainda existe uma preocupação com os papéis sexuais, o que compete ao homem e a mulher no casamento, ainda não foi possível privilegiar a relação, a qual acontece no único espaço em que os papéis masculino e feminino entram em confronto.