Prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s) para idosos

CONTEXTO

Após a Segunda Guerra Mundial, houve o chamado “baby Boom” (pessoas nascidas entre 1945 e 1965) com muitos nascimentos. Essa é a geração de novos velhos. Eles viveram a revolução da contracultura, que trouxe a minissaia, a pílula, a queima de sutiãs, o rock and roll e toda a contestação da época. Além disto, esta geração trouxe o bom humor, uma nova maneira de viver mais leve e irônica, características que gerações anteriores não apresentavam. Hoje uma pessoa de 60 anos apresenta o perfil de quem tinha 50, ou seja, uma geração atrás. São pessoas que envelheceram, mas que ainda tem mais 20 ou 30 anos pela frente com saúde e energia. Isto acontece, sobretudo por causa do avanço da ciência, da medicina e da tecnologia. Os novos velhos passaram por duas revoluções a da Contracultura dos anos 60 e agora vivem a segunda revolução de Comportamento. É comum ver um idoso ativo, trabalhando, usando a Internet e namorando. (Reis, Lea , 2011).

A falta de informação sobre o processo de envelhecimento, assim como as mudanças fisiológicas que interferem na sexualidade, tem auxiliado na estagnação da sexualidade e afetividade das pessoas com mais de 60 anos. O tema envolve muitos mitos: um deles é de que os idosos seriam “assexuados”, mas cada vez mais, vêm sendo desmistificado pelos estudos feitos sobre sexualidade e terceira idade.

Considerando a importância de aprofundar o conhecimento sobre esse tema, uma vez que, nos últimos anos, vem ocorrendo uma revolução na prática da sexualidade, e que tem se refletido de forma indiscutível na terceira idade, a vida sexual deixa de ter apenas a função procriadora e passa a se tornar uma fonte de satisfação e de realização de pessoas de todas as idades. (Souza e Rodrigues, 2011).

Outra pesquisa sobre a sexualidade na terceira idade na percepção de um grupo de idosas e indicações para a educação sexual revelou que as idosas acima de 50 anos não tem hábito de usar o preservativo. O preservativo é conhecido, entre elas, como um método contraceptivo e não como método preventivo nas doenças sexualmente transmissíveis. (Frugoli e Magalhães, 2011).

A modificação do perfil do idoso da atualidade devido à contribuição das inovações terapêuticas como o viagra e as terapias hortrmonais tem promovido uma melhor qualidade de vida sexual para este grupo (oliveira e Dias, 2009).

No final do século 20, vimos uma revolução no conceito da sexualidade, e essas mudanças repercutiram na vida sexual do idoso. Não se concebe, hoje, a sexualidade ligada apenas à função reprodutiva, mas como fonte de prazer e de realização em todas as idades. Uma pesquisa coordenada por Carmita Abdo professora da Faculdade de Medicina da USP e coordenadora do ProSex (Programa de Estudos em Sexualidade da USP), que contou com mais de 8 mil entrevistados, mostra como homens e mulheres, em diferentes faixas etárias, se dizem sexualmente ativos. (gráfico abaixo)  


As doenças sexualmente transmissíveis na terceira idade passaram a ser um problema de saúde pública no Brasil. Com a melhoria da qualidade de vida e sexual na velhice, cada vez mais este grupo torna-se vulnerável a estas doenças. A falta de uma equipe de saúde mais humanizada e voltada para esta realidade vivenciada na velhice, também contribui para que este grupo não procure orientação ou apoio por vergonha do julgamento devido à idade.

O número de casos de doenças sexualmente transmissíveis (DST) entre pessoas acima dos 50 anos dobrou na última década. O dado alarmante acaba de ser publicado em um editorial do periódico médico Student BMJ. Entre as doenças que despontam na lista de transmissões citadas pelo estudo estão sífilis, clamídia e gonorreia. No editorial do Student BMJ, os médicos Rachel von Sinson, do King’s College London, e Ranjababu Kulasegaram, do St Thomas’ Hospital London, citam uma pesquisa que mostra que 80% dos adultos entre 50 e 90 anos são sexualmente ativos. Estatísticas mostram um aumento nos casos de sífilis, clamídia e gonorreia na Inglaterra, Estados Unidos e Canadá nas pessoas entre 45 a 64 anos.

Existem ainda poucas pesquisas sobre as razões por trás do aumento no número dessas doenças. Uma das hipóteses é a de que ela se deva às mudanças físicas — mulheres na menopausa são mais vulneráveis a uma DST. Além disso, alguns dados mostram que os homens que usam drogas contra a disfunção erétil têm mais chances de serem diagnosticados com uma DST no primeiro ano de uso do remédio. No Brasil, o Ministério da Saúde não tem dados sobre o índice de transmissões das DSTs, porque a notificação não é obrigatória. A única doença a ter registro é a aids. Segundo dados do Boletim Epidemiológico Aids e DST/2011, feito pelo Ministério, o número de novos casos entre pessoas acima de 50 anos passou de 2.707, em 2000, para 5.521, em 2010 – um aumento de 103%.

De acordo com Jean Gorinshteyn, infectologista responsável pelo Ambulatório do Idoso do Hospital Emílio Ribas, esse aumento no número de casos pode estar sendo causado pela combinação de drogas para disfunção erétil e falta de costume do uso da camisinha. “Essas pessoas não estão acostumadas a usar camisinha, e quando a usavam era para evitar uma concepção indesejada, não uma DST”, diz. Entre os idosos, os homens são as principais vítimas: no ambulatório coordenado por Gorinshteyn, 75% dos infectados são do sexo masculino. Dos cerca de 120 pacientes (entre homens e mulheres) atendidos no local, 90% têm entre 60 e 65 anos, 80% são heterossexuais e 78% são casados. “A mulher normalmente tem uma baixa na libido com a menopausa. Já o homem, com a existência de drogas contra a disfunção erétil, acaba, muitas vezes, prolongando sua vida sexual”. (Revista Veja Saúde, fev, 2012).

Em relação ao conhecimento de pessoas idosas sobre as ações preventivas para as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), o estudo de Cezar, Aires e Paz (2012), envolvendo 94 pessoas com idade igual ou superior aos 60 anos, demonstrou que a maioria sabia como evitar as doenças, mas não tinham recebido as orientações sobre a sexualidade e a prevenção dessas doenças. Neste caso, os autores também constataram que a maioria dos idosos entrevistados não possuía informação detalhada sobre as DSTs, tendo conhecimento apenas do uso dos preservativos.

Um alerta importante no estudo de Carret et al. (2004) em relação à transmissão de DSTs em casais é que “viver com companheiro fixo não é um fator protetor dessas doenças”. Segundo estes autores, vários estudos têm questionado o fato de os casais/cônjuges não serem considerados de risco, pela ideia que trazem da relação sexual nesta situação acontecer somente com o parceiro “fixo”. Pessoas que têm companheiro em geral não são consideradas de risco pelos serviços de saúde, fazendo com que este grupo não se previna e fique mais vulnerável às DSTs.

A carência de profissionais da área da saúde com conhecimento sobre sexualidade dificulta o diálogo sobre o assunto e a sexualidade do idoso não é alvo de investigação, assim sendo, essa população fica vulnerável a propagação das DST’s.

O aumento progressivo de números de casos de DSTs em especial pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) entre pessoas com idade de 50 a 70 anos, está relacionado com a falha do pensar e agir dos profissionais de saúde quando o assunto é sexualidade das pessoas idosas. Segundo esses autores, a sexualidade na terceira há muitos anos foi negada e/ou anulada, devido aos valores e às normas socioculturais. (Cezar, Aires e Paz, 2012).

O uso do preservativo para pessoas acima de 50 anos é seis vezes menor do que na população mais jovem. Esta predominância pode ser explicada pelo fato de a mulher idosa na pós-menopausa já não se sentir ameaçada com o risco de uma gravidez indesejada, pelo fato do preconceito quanto ao uso de preservativo pelos homens mais velhos, e/ou também pela visão dos próprios idosos que pensam que em razão da idade estariam num grupo de “baixo risco” (Rezende; Lima; Rezende, 2009).

Apesar da população mundial no decorrer do século XX, ter se modificado no perfil demográfico, com o aumento da população de idosos, principalmente entre as mulheres, percebe-se que as políticas públicas e os trabalhadores da área de saúde ainda não estão preparados para enfrentar essa nova realidade. Nossa sociedade é marcada pelo preconceito perante os idosos, é a fase da vida mais carregada de proibições e limitações, sobretudo quando relacionado à sexualidade na terceira idade. Isso pode ser observado através dos dados das pesquisas citadas. A sociedade impõe à velhice o fardo da assexualidade.

Vale ressaltar a vulnerabilidade dessa população às DSTs e a importância do uso de preservativo, uma prática não utilizada por essa população, de acordo com os números do boletim epidemiológico, que mostra o crescente aumento da AIDS nessa faixa etária. O fato dos idosos não adotarem medidas de prevenção reside na questão cultural. Eles não foram educados para o uso de preservativos, haja vista ser conhecido, nessa população, apenas como um método contraceptivo e não como preventivo.

DOENÇAS ESSENCIALMENTE TRANSMITIDAS POR CONTÁGIO SEXUAL

Sífilis: Doença infecto-contagiosa sistêmica (acomete todo o organismo), que evolui de forma crônica (lenta) e que tem períodos de acutização (manifesta-se agudamente) e períodos de latência (sem manifestações). Pode comprometer múltiplos órgãos (pele, olhos, ossos, sistema cardiovascular, sistema nervoso). De acordo com algumas características de sua evolução a sífilis divide-se em Primária, Secundária, Latente e Terciária ou Tardia. Quando transmitida da mãe para o feto é chamada de Sífilis Congênita.

    • Sinônimos: Cancro duro, cancro sifilítico, Lues.
    • Agente: Treponema pallidum
    • Complicações/Consequências: Abôrto espontâneo, natimorto, parto prematuro, baixo peso, endometrite pós-parto. Infecções peri e neonatal. Sífilis Congênita. Neurossífilis. Sífilis Cardiovascular.
    • Período de Incubação: 1 semana à 3 meses. Em geral de 1 a 3 semanas.


Gonorreia: Doença infecto-contagiosa que se caracteriza pela presença de abundante secreção purulenta (corrimento) pela uretra no homem e vagina e/ou uretra na mulher. Este quadro frequentemente é precedido por prurido (coceira) na uretra e disúria (ardência miccional). Em alguns casos podem ocorrer sintomas gerais, como a febre. Nas mulheres os sintomas são mais brandos ou podem estar ausentes (maioria dos casos).

    • Sinônimos: Uretrite Gonocócica, Blenorragia, Fogagem
    • Agente: Neisseria gonorrhoeae
    • Complicações/Consequências: Abôrto espontâneo, natimorto, parto prematuro, baixo peso, endometrite pós-parto. Doença Inflamatória Pélvica. Infertilidade. Epididimite. Prostatite. Pielonefrite. Meningite. Miocardite. Gravidez ectópica. Septicemia, Infecção ocular, Pneumonia e Otite média do recém-nascido. Artrite aguda etc. Assim como a infecção por clamídia, é uma das principais causas infecciosas de infertilidade feminina.
    • Transmissão: Relação sexual. O risco de transmissão é superior a 90%, isto é, ao se ter um relacionamento sexual com um(a) parceiro(a) doente, o risco de contaminar-se é de cerca de 90%. O fato de não haver sintomas (caso da maioria das mulheres contaminadas), não afeta a transmissibilidade da doença.
      Período de Incubação: 2 a 10 dias

Cancro mole: Ulceração (ferida) dolorosa, com a base mole, hiperemiada (avermelhada), com fundo purulento e de forma irregular que compromete principalmente a genitália externa mas pode comprometer também o ânus e mais raramente os lábios, a boca, língua e garganta. Estas feridas são muito contagiosas, auto-inoculáveis e portanto, frequentemente múltiplas. Em alguns pacientes, geralmente do sexo masculino, pode ocorrer infartamento ganglionar na região inguino-crural (inchação na virilha). Não é rara a associação do cancro mole e o cancro duro (sífilis primária).

    • Sinônimos: Cancróide, cancro venéreo simples, “cavalo”
    • Agente: Haemophilus ducreyi.
    • Período de Incubação: 2 à 5 dias.

Linfogranuloma venéreo: O Linfogranuloma venéreo caracteriza-se pelo aparecimento de uma lesão genital (lesão primária) que tem curta duração e que se apresenta como uma ulceração (ferida) ou como uma pápula (elevação da pele). Esta lesão é passageira (3 a 5 dias) e frequentemente não é identificada pelos pacientes, especialmente do sexo feminino. Após a cura desta lesão primária, em geral depois de duas a seis semanas, surge o bubão inguinal que é uma inchação dolorosa dos gânglios de uma das virilhas (70% das vezes é de um lado só). Se este bubão não for tratado adequadamente ele evolui para o rompimento expontâneo e formação de fístulas que drenam secreção purulenta.

    • Sinônimos: Doença de Nicolas-Favre, Linfogranuloma Inguinal, Mula, Bubão.
    • Agente: Chlamydia trachomatis.
    • Complicações/Consequências: Elefantíase do pênis, escroto, vulva. Proctite (inflamação do reto) crônica. Estreitamento do reto.
    • Transmissão: Relação sexual é a via mais frequente de transmissão. O reto de pessoas cronicamente infectadas é reservatório de infecção.
    • Período de Incubação: 7 a 60 dias.
    • Diagnóstico: Em geral o diagnóstico é feito com base nas manifestações clínicas (íngua, elefantíase genital, estenose uretral etc) sendo ocasional a necessidade de comprovação laboratorial (teste de fixação de complemento, cultura, biópsia etc).

DOENÇAS FREQUENTEMENTE TRANSMITIDAS POR CONTAGIO SEXUAL

Granuloma Inguinal: Doença bacteriana de evolução crônica que se caracteriza pelo aparecimento de lesões granulomatosas (grânulos, caroços), ulceradas (feridas), indolores e auto-inoculáveis. Tais lesões localizam-se na região genital, perianal e inguinal, podendo, eventualmente, ocorrer em outras regiões do organismo, inclusive órgãos internos.

    • Sinônimos: Danovanose, Granuloma Venéreo, Granuloma Tropical, Granuloma Contagioso, Úlcera Venérea Crônica, etc.
    • Agente: Donovania granulomatis (Calymmatobacterium granulomatis).
      Complicações/Consequências: Deformidades genitais, elefantíase, tumores.
    • Período de Incubação: Variável. De 3 dias a 6 meses. Doença bacteriana crônica, progressiva que acomete referencialmente a pele e as mucosas das regiões genital e perigenital.

Uretrite não gonocócica: Doença infecto-contagiosa do sistema gênito-urinário do homem e da mulher. No homem causa uma uretrite de manifestações em geral discretas (ardor e/ou prurido uretral e secreção brancacenta, amarelada ou amarelo esverdeada), podendo, eventualmente ser ausentes em alguns e muito intensas em outros. É uma das principais causas de vaginite, vulvovaginite e cervicite (infecção do colo do útero) da mulher adulta podendo porém, cursar com pouca ou nenhuma manifestação clínica. Quando presente, manifesta-se na mulher como um corrimento vaginal amarelo esverdeado ou acinzentado, espumoso e com forte odor característico. Não é incomum também ocorrer irritação na região genital bem como sintomas miccionais que podem simular uma cistite (dor ao urinar e micções frequentes).

    • Sinônimos: Uretrite ou vaginite por Trichomonas, Tricomoníase vaginal ou uretral, Uretrite não gonocócica (UNG).

Herpes simples genital: Infecção recorrente (vem, melhora e volta) causadas por um grupo de vírus que determinam lesões genitais vesiculares (em forma de pequenas bolhas) agrupadas que, em 4-5 dias, sofrem erosão (ferida) seguida de cicatrização espontânea do tecido afetado. As lesões com frequência são muito dolorosas e precedidas por eritema (vermelhidão) local. A primeira crise é, em geral, mais intensa e demorada que as subsequentes. O caráter recorrente da infecção é aleatório (não tem prazo certo) podendo ocorrer após semanas, meses ou até anos da crise anterior. As crises podem ser desencadeadas por fatores tais como stress emocional, exposição ao sol, febre, baixa da imunidade etc. A pessoa pode estar contaminada pelo virus e não apresentar ou nunca ter apresentado sintomas e, mesmo assim, transmití-lo a(ao) parceira(o) numa relação sexual.

    • Sinônimos: Herpes Genital
    • Agente: Virus do Herpes Genital ou Herpes Simples Genital ou HSV-2. É um DNA vírus.
    • Importante: Outro tipo de Herpes Simples é o HSV-1, responsável pelo Herpes Labial. Tem ocorrido crescente infecção genital pelo HSV-1 e vice-versa, isto é, infecção labial pelo HSV-2, certamente em decorrência do aumento da prática do sexo oral ou oro-genital.

Aids: Síndrome (uma variedade de sintomas e manifestações) causado pela infecção crônica do organismo humano pelo vírus HIV (Human Immunodeficiency Virus). O vírus compromete o funcionamento do sistema imunológico humano, impedindo-o de executar sua tarefa adequadamente, que é a de protegê-lo contra as agressões externas (por bactérias, outros vírus, parasitas e mesmo por células cancerígenas). Com a progressiva lesão do sistema imunológico o organismo humano se torna cada vez mais susceptível a determinadas infecções e tumores, conhecidas como doenças oportunísticas, que acabam por levar o doente à morte.

A fase aguda (após 1 a 4 semanas da exposição e contaminação) da infecção manifesta-se em geral como um quadro gripal (febre, mal estar e dores no corpo) que pode estar acompanhada de manchas vermelhas pelo corpo e adenopatia (íngua) generalizada (em diferentes locais do organismo). A fase aguda dura, em geral, de 1 a 2 semanas e pode ser confundida com outras viroses (gripe, mononucleose etc) bem como pode também passar desapercebida. Os sintomas da fase aguda são portanto inespecíficos e comuns a várias doenças, não permitindo por si só o diagnóstico de infecção pelo HIV, o qual somente pode ser confirmado pelo teste anti-HIV, o qual deve ser feito após 30 a 90 dias (1 a 3 meses) da data da exposição ou provável contaminação.

    • Sinônimos: SIDA, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, HIV-doença.
    • Agente: HIV (Human Immunodeficiency Virus), com 2 subtipos conhecidos : HIV-1 e HIV-2.
    • Período de Incubação: De 3 a 10 (ou mais) anos entre a contaminação e o aparecimento de sintomas sugestivos de AIDS.

Infecção pelo papilomavírus humano (HPV): Infecção causada por um grupo de vírus (HPV – Human Papilloma Viruses) que determinam lesões papilares (elevações da pele) as quais, ao se fundirem, formam massas vegetantes de tamanhos variáveis, com aspecto de couve-flor (verrugas). Os locais mais comuns do aparecimento destas lesões são a glande, o prepúcio e o meato uretral no homem e a vulva, o períneo, a vagina e o colo do útero na mulher.Em ambos os sexos pode ocorrer no ânus e reto, não necessariamente relacionado com o coito anal. Com alguma frequência a lesão é pequena, de difícil visualização à vista desarmada (sem lentes especiais), mas na grande maioria das vezes a infecção é assintomática ou inaparente, sem nenhuma manifestação detectável pelo(a) paciente.

Candidíase: A candidíase, especialmente a candidíase vaginal, é uma das causas mais frequentes de infecção genital. Caracteriza-se por prurido (coceira), ardor, dispareunia (dor na relação sexual) e pela eliminação de um corrimento vaginal em grumos brancacentos, semelhante à nata do leite. Com frequência, a vulva e a vagina encontram-se edemaciadas (inchadas) e hiperemiadas (avermelhadas). As lesões podem estender-se pelo períneo, região perianal e inguinal (virilha). No homem apresenta-se com hiperemia da glande e prepúcio (balanopostite) e eventualmente por um leve edema e pela presença de pequenas lesões puntiformes (em forma de pontos), avermelhadas e pruriginosas. Na maioria das vezes não é uma doença de transmissão sexual. Em geral está relacionada com a diminuição da resistência do organismo da pessoa acometida. Existem fatores que predispõe ao aparecimento da infecção : diabetes melitus, gravidez, uso de contraceptivos (anticoncepcionais) orais, uso de antibióticos e medicamentos imunosupressivos (que diminuem as defesas imunitárias do organismo), obesidade, uso de roupas justas etc. Sinônimos: Monilíase, Micose por cândida, Sapinho Agente: Candida albicans e outros.

Pediculose do Pubis: Infestação da região pubiana causadas por um inseto do grupo dos piolhos e cuja única manifestação é o intenso prurido que causa. Por contiguidade pode acometer também os pelos da região do baixo abdome, ânus e coxas. Eventualmente acometem as sombrancelhas e cílios (por auto-inoculação). Os piolhos machos medem cerca de 1 milímetro e as femeas, maiores, 1,5 milímetros, sendo que seus ovos (lêndeas), medem em torno de 2 milímetros. O prurido (coceira) determinado pela parasitose é causado pela saliva do inseto, liberada ao sugar o sangue do hospedeiro.

    • Sinônimos: Ftiríase, Chato
    • Agente: Phtirus Pubis

Hepatite B: Infecção das células hepáticas pelo HBV (Hepatitis B Virus) que se exterioriza por um espectro de síndromes que vão desde a infecção inaparente e subclínica até a rapidamente progressiva e fatal. Os sintomas, quando presentes, são: falta de apetite, febre, náuseas, vômitos, astenia, diarréia, dores articulares, icterícia (amarelamento da pele e mucosas) entre os mais comuns.

    • Sinônimos: Hepatite sérica.
    • Agente: HBV (Hepatitis B Virus), que é um vírus DNA (hepadnavirus)
    • Complicações/Consequências: Hepatite crônica, Cirrose hepática, Câncer do fígado (Hepatocarcinoma), além de formas agudas severas com coma hepático e óbito.
    • Período de Incubação: 30 à 180 dias (em média 75 dias).

DOENÇAS EVENTUALMENTE TRANSMITIDAS POR CONTÁGIO SEXUAL

Molusco contagioso: Doença da pele que se caracteriza pela produção de pápulas (elevações da pele) umbelicadas (com uma depressão central), de cor que varia do branco peroláceo (translúcido) ao rosa, em geral com 2 a 6 milímetros de diâmetro e com base (local de implantação) levemente hiperemiada (avermelhada). São comumente múltiplas principalmente por serem auto-inoculáveis. As lesões são levemente pruriginosas (produzem coceira) e localizam-se em qualquer região da pele (face, tronco e áreas expostas das extremidades) e, mais raramente, nas mucosas. Podem ocorrer em qualquer idade mas são mais comuns em crianças de 0 a 12 anos.

    • Sinônimos: Molusco
    • Agente: Poxvírus
    • Período de Incubação: 2 semanas a 3 meses após a contaminação

Pediculose: Infestação da região pubiana causadas por um inseto do grupo dos piolhos e cuja única manifestação é o intenso prurido que causa. Por contiguidade pode acometer também os pelos da região do baixo abdome, ânus e coxas. Eventualmente acometem as sombrancelhas e cílios (por auto-inoculação). Os piolhos machos medem cerca de 1 milímetro e as femeas, maiores, 1,5 milímetros, sendo que seus ovos (lêndeas), medem em torno de 2 milímetros. O prurido (coceira) determinado pela parasitose é causado pela saliva do inseto, liberada ao sugar o sangue do hospedeiro.

    • Sinônimos: Ftiríase, Chato.
    • Agente: Phtirus Pubis

Hepatite C: A hepatite C infecta atualmente cerca de 200 milhões de pessoas em todo o mundo. Hoje já é bem conhecida a associação da síndrome de imunodeficiência adquirida (Aids) e hepatite C (cerca de 15% a 30%, chegando a 90% dos usuários de drogas, sendo a principal causa de mortalidade nesses pacientes. No Brasil estima-se que existam pelo menos 3 milhões de pessoas cronicamente infectadas pelo vírus B e C.

    • Transmissão: A transmissão sexual não está completamente entendida, parcialmente porque não há muitos estudos que comprovem isso, porém os estudos prospectivos e retrospectivos que foram feitos dão indício dessa possibilidade. A população considerada de risco são os usuários de drogas intravenosas, pessoas tatuadas e piercings, alcoólatras, portadores de HIV e transplantados, hemodialisados, hemofílicos, pessoas sexualmente promíscuas e pessoas com múltiplos parceiros.
    • Manifestações Clínicas: cansaço intenso, icterícia, mal-estar gastrointestinal, dor abdominal, dores articulares, lesões de pele entre outros. Manifesta-se de forma aguda apenas na minoria das pessoas, o período médio de incubação até o aparecimento dos sintomas é de sete semanas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.


A sexualidade na terceira idade na percepção de um grupo de idosas e indicações para a educação sexual. Angélica Frugoli e Carlos Alberto de Oliveira Magalhães Junior. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 15, n. 1, p. 85-93, jan./abr. 2011.

Anais do Congresso Internacional das Faculdades EST. V 1., 2012, p. 774-789. São Leopoldo. Idosos e HIV/AIDS. Elisa Fenner Schroder.

Boletim Edidemiológico Aides e DST’s Ano II – nº 1 – até semana epidemiológica 26ª – dezembro de 2013. http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2013/55559/_p_boletim_2013_internet_pdf_p__51315.pdf

Dez anos de epidemia do HIV-AIDS em maiores de 60 anos no Distrito Federal – Brasil Maria Liz Cunha de Oliveira, Leidijany Costa Paz, Gislane Ferreira de Melo. Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Universidade Católica de Brasília.

Doenças Sexualmente Transmissíveis / Walter Belda Junior. – 2ª ed. – São Paulo : Editora Ateneu, 2009.

Estudo da Vida Sexual do Brasileiro (EVSB), Carmita H. N. Abdo, 2004 – São Paulo.

Mosaico Brasil Prosex. Programa de Estudos em Sexualidade da USP – Universidade de São Paulo.

Novos Velhos / Léa Maria Aarão Reis – Rio de Janeiro : Record, 2011.

Revista Brasileira de Epidemiologia
Print version ISSN 1415-790X Rev. bras. epidemiol. vol.16 no.1 São Paulo Mar. 2013
http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2013000100003

Sexo na Terceira Idade: um estudo em torno da percepção de funcionários e idosos da casa São Vicente Paulo sobre a sexualidade na terceira idade. Gerciana Oliveira de Souza e Geilsa Celeste Moreira Rodrigues, trabalho apresentado na V Jornada Internacional de Politicas Públicas, 2011.

http://www.portaleducacao.com.br/psicologia/artigos/51903/doencas-sexualmente-transmissiveis-na-terceira-idade#ixzz3Byw1ohet

http://www.aids.gov.br/pagina/dst-no-brasil

http://www.todabiologia.com/doencas/amebiase.htm

Gostou? Curta e Compartilhe com seus amigos:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Madalena Borges

Madalena Borges

ESPECIALISTA EM CASAIS E FAMILIA PELA UNIFESP, ESPECIALISTA EM SEXUALIDADE HUMANA PELA USP, ANALISTA PSICODRAMÁTICA PELA EPP. madalena@socorropsiquico.com.br

Outros artigos de nosso Blog

Pandemia e a Angústia Circunstancial - Blog Socorro Psíquico

Pandemia e a Angústia Circunstancial

O momento atual coloca a todos diante de uma situação de ameaça e impotência. A ameaça vem de fora, do ambiente e do contato com outras pessoas; a ameaça é real, ela existe por si só e, independente de que alguns possam negá-la ou justificá-la com teorias de grandes conspirações, as pessoas estão de fato adoecendo e morrendo.

CRISES CONJUGAIS E DIÁLOGO - Consultório Socorro Psíquico

Crises Conjugais e Diálogo

É sabido que viver a dois exige um constante esforço de diálogo, compreensão, e disposição para debater os problemas com calma e tranquilidade, longe do calor das emoções. Discussões acaloradas em nada ajudam, muito pelo contrário, costumam colocar mais combustível nos conflitos, levando muitas vezes a brigas sérias e acusações de ambos os lados, com consequências ruins para o relacionamento.

Como está seu casamento? - Blog Socorro Psíquico

Como está o seu Relacionamento?

Sabemos que na nossa sociedade ainda existe uma preocupação com os papéis sexuais, o que compete ao homem e a mulher no casamento, ainda não foi possível privilegiar a relação, a qual acontece no único espaço em que os papéis masculino e feminino entram em confronto.