O Desenvolvimento do Apego na Criança – Padrões de Apego

PADRÕES DE APEGO

A Mãe sensível é empática e sintonizada com as necessidades do bebê, ajustando-se a ele e comportando-se de maneira que o satisfaça. A criança, em vez de se tornar infeliz, manhosa e exigente, começa a desenvolver autoconfiança positiva como confiança na mãe e prazer por sua companhia. As Mães insensíveis, invasivas ou rejeitadoras, criam bebês frustrados, ansiosos e difíceis.

 1. APEGO SEGURO

Estudos revelam crianças com apego seguro são crianças que exploram ativamente o ambiente, especialmente com as mães presentes, usando-as como base, ou seja, orientando o comportamento de exploração em relação à mãe, trocando olhares, indo e voltando. Quando as mães retornavam após ausências, as crianças as recebiam calorosamente e buscavam intimidade de maneira não ambivalente.

Esses bebês têm expectativas positivas quanto ao comportamento da mãe; usam sua proximidade como base segura, a partir da qual podem explorar o mundo; quando aflitos buscam a mãe ativamente; quando a encontram, deixam-se confortar, sem raiva nem ambivalência. Esse grupo de bebês tinha mães com alta sensibilidade materna, durante o primeiro ano de vida. (70% da amostra)

2. APEGO ANSIOSO AMBIVALENTE

Esse grupo é constituído por crianças passivas que exploravam pouco o ambiente, chupavam o polegar ou se embalavam, demonstrando estar sempre ansiosas sobre o paradeiro da mãe, choravam muito em suas ausências, mas quando estavam juntos oscilavam em buscar proximidade e rejeitar a mãe, resistentes e bravas, num típico quadro de ambivalência.

Essas crianças tinham baixos limiares de ameaça, extrema ansiedade de separação e dificuldade de serem confrontadas pela figura de apego, demonstravam petulância e rejeição raivosa às aproximações maternas. Essa mistura de preocupação e forte busca de contato – com recusa de ser confortado e rejeição raivosa (ambivalência) – revela um modelo de relacionamento internalizado baseado em um cuidado inconsistente. Pais que se revelam disponíveis e prestativos em algumas ocasiões e em outras não. (10% da amostra)

 3. APEGO ANSIOSO EVITADOR

Esse grupo englobava crianças que ora pareciam muito independentes, ignorando as mães, ora tornavam-se ansiosas, tentando reencontrá-las. Quando a mãe retornava essas crianças fingiam que não percebiam, não a procuravam ou recusavam o contato. Quanto mais estressada está a criança, por sentir-se ameaçada, maior é a rejeição da mãe.

Essas crianças davam a impressão de frieza, independência e falta de apego.

Esse padrão é propiciado por mães que têm horror de contato físico, frieza e indiferença emocional, ou demonstram raiva e agressividade frente às demandas do bebê; nos casos graves submetem a criança a vivências crônicas e estáveis de rejeição e abandono. (20% da amostra).

Bowlby argumenta que a criança percebe a figura de apego como não disponível e a si próprio como não merecedor de ser cuidado.

Gostou? Curta e Compartilhe com seus amigos:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Madalena Borges

Madalena Borges

ESPECIALISTA EM CASAIS E FAMILIA PELA UNIFESP, ESPECIALISTA EM SEXUALIDADE HUMANA PELA USP, ANALISTA PSICODRAMÁTICA PELA EPP. madalena@socorropsiquico.com.br

Outros artigos de nosso Blog

Pandemia e a Angústia Circunstancial - Blog Socorro Psíquico

Pandemia e a Angústia Circunstancial

O momento atual coloca a todos diante de uma situação de ameaça e impotência. A ameaça vem de fora, do ambiente e do contato com outras pessoas; a ameaça é real, ela existe por si só e, independente de que alguns possam negá-la ou justificá-la com teorias de grandes conspirações, as pessoas estão de fato adoecendo e morrendo.

CRISES CONJUGAIS E DIÁLOGO - Consultório Socorro Psíquico

Crises Conjugais e Diálogo

É sabido que viver a dois exige um constante esforço de diálogo, compreensão, e disposição para debater os problemas com calma e tranquilidade, longe do calor das emoções. Discussões acaloradas em nada ajudam, muito pelo contrário, costumam colocar mais combustível nos conflitos, levando muitas vezes a brigas sérias e acusações de ambos os lados, com consequências ruins para o relacionamento.

Como está seu casamento? - Blog Socorro Psíquico

Como está o seu Relacionamento?

Sabemos que na nossa sociedade ainda existe uma preocupação com os papéis sexuais, o que compete ao homem e a mulher no casamento, ainda não foi possível privilegiar a relação, a qual acontece no único espaço em que os papéis masculino e feminino entram em confronto.