O Desenvolvimento do Apego na Criança – Internalização dos Modelos

INTENALIZAÇÃO DOS MODELOS

Cada modelo uma vez desenvolvido, tende a persistir, porque a maneira como os pais tratam a criança tende a permanecer a mesma, a menos que haja uma influência renovadora que venha a modificar as circunstâncias desse trato. O modelo, uma vez esboçado, tende a ser autoperpetuante porque leva a criança a agir de maneira que o confirma.

    • Uma criança com apego seguro é mais feliz, menos exigente, não exaure os pais ou outros adultos com demandas contínuas ou excessivas nem os afasta com frieza. Portanto é mais bem aceita. Além disso, é clara e não ambivalente ao mostrar seu amor pelos pais e pouco os rejeita; o afeto que demonstra é um poderoso reforço para os sentimentos amorosos dos pais.
    • Uma criança com apego ansioso, ambivalente e grudenta vive controlando o comportamento dos pais e os sobrecarrega (assim como outros adultos) com demanda de atenção contínua. É uma criança que choraminga, reclama e raramente parece satisfeita; porque sempre espera ser frustrada, tem baixa tolerância a frustração, é sujeita a medos e fobias. Ela desencadeia nas pessoas a sua volta sentimentos de incompetência e auto-estima baixa naqueles que a amam, assim como reações de impaciência e rejeição.
    • Uma criança com apego ansioso evitador tende a ser distante e rejeitar as proximidades amorosas dos outros; pede pouco ou de forma incoerente, portanto recebe pouco e mantém-se carente. Não desperta sentimentos amorosos, porque também não os demonstra, não mostra alegria ao ser amada porque não acredita ser amada. Por não receber empatia não tem empatia pelos outros, mostrando-se implicante e agressiva com outras crianças estimulando a rejeição.


Nos dois modelos de apego ansioso, o comportamento habitual da criança tende a estimular respostas desfavoráveis por parte dos pais, professores e outras crianças; mais tarde, de outros adultos e colegas; como decorrência, se estabelece um circulo vicioso. Com o passar do tempo o padrão de apego vai se internalizando, se tornando propriedade da personalidade da criança, diminuindo a flexibilidade a novas experiências.

Um modelo representacional seguro pressupõe que o sujeito perceba de si próprio não só como merecedor, mas também capaz de conseguir apoio e conforto quando sentir necessidade, e que perceba o outro como psicologicamente disponível e receptivo.

Um modelo representacional inseguro ambivalente ou evitador, pressupõe que o sujeito antecipe rejeição ou atendimento inconstante por parte das figuras de apego, e que tenha uma auto-imagem marcada por baixa auto-estima, pouco eficiência para conseguir o apoio e a atenção desejada.

Gostou? Curta e Compartilhe com seus amigos:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Madalena Borges

Madalena Borges

ESPECIALISTA EM CASAIS E FAMILIA PELA UNIFESP, ESPECIALISTA EM SEXUALIDADE HUMANA PELA USP, ANALISTA PSICODRAMÁTICA PELA EPP. madalena@socorropsiquico.com.br

Outros artigos de nosso Blog

Pandemia e a Angústia Circunstancial - Blog Socorro Psíquico

Pandemia e a Angústia Circunstancial

O momento atual coloca a todos diante de uma situação de ameaça e impotência. A ameaça vem de fora, do ambiente e do contato com outras pessoas; a ameaça é real, ela existe por si só e, independente de que alguns possam negá-la ou justificá-la com teorias de grandes conspirações, as pessoas estão de fato adoecendo e morrendo.

CRISES CONJUGAIS E DIÁLOGO - Consultório Socorro Psíquico

Crises Conjugais e Diálogo

É sabido que viver a dois exige um constante esforço de diálogo, compreensão, e disposição para debater os problemas com calma e tranquilidade, longe do calor das emoções. Discussões acaloradas em nada ajudam, muito pelo contrário, costumam colocar mais combustível nos conflitos, levando muitas vezes a brigas sérias e acusações de ambos os lados, com consequências ruins para o relacionamento.

Como está seu casamento? - Blog Socorro Psíquico

Como está o seu Relacionamento?

Sabemos que na nossa sociedade ainda existe uma preocupação com os papéis sexuais, o que compete ao homem e a mulher no casamento, ainda não foi possível privilegiar a relação, a qual acontece no único espaço em que os papéis masculino e feminino entram em confronto.